BLACK VELVET: ARCHITECTURES AND ARCHETYPES

DIAFRAGMA: DISPOSITIVO VERSÃO BETA
28/05/2019
BLACK HOLE – TRILOGY AND TRIATHLON
27/05/2019
 

Informações

Datas: 5, 6 e 7 JUN
Horário: 20h
Duração: 60'
Local: Teatro 1 (lotação 172 lugares)

 

Black velvet - Architectures and archetypes (Veludo negro - Arquiteturas e arquétipos)

Shamel Pitts

EUA - Brasil | 2016 | 60 min | Classificação indicativa: 14 anos

Criação e performance: Shamel Pitts e Mirelle Martins

Sobre "Black velvet":

“Black velvet” é uma aclamada coreografia criada por Shamel Pitts e a brasileira Mirelle Martins. O espetáculo se tornou um grande destaque na cena internacional, ao se apresentar nos mais prestigiados palcos dos Estados Unidos e da Europa.

O trabalho “Black Velvet: Arquiteturas e Arquétipos” pesquisa a capacidade sensível dos seres humanos de construir ideais, modelos e texturas como projeções de nós mesmos. Agir dentro dessas estruturas e sistemas é descobrir o que há dentro de nós, ao nosso redor e entre nós e outros seres humanos. “Black velvet” busca, através da interação entre movimentos corporais, sons eletrônicos e projeções de luz e vídeo, criar uma performance capaz de, esperançosamente, unir as distâncias entre nós e os outros, para que possamos nos ver e nos encontrar. Para isso, portanto, alguns sistemas mentais devem ser quebrados, re-imaginados e, então, reconstruídos para benefício mutuo.

Sobre Shamel Pitts:
Shamel Pitts é um dos mais renomados e premiados artistas da dança mundial. Formado em dança pela Juilliard School, em Nova York, iniciou a sua carreira profissional na BJM_Danse Montreal e na Mikhail Baryshnikov’s Hell’s Kitchen Dance e, posteriormente, integrou a mais importante Cia. de dança de Israel, a multipremiada Batsheva Dance Company, de Ohad Naharin. Em Israel, se tornou professor da linguagem de movimento desenvolvida por Naharin, o sistema GAGA, e hoje em dia concilia a sua carreira artística solo com atividades educacionais, atuando tanto nos palcos dos principais festivais de dança do mundo como nas salas de aula de grandes instituições, como a Universidade de Harvard e a Julliard School.

Shamel Pitts conheceu a brasileira Mirelle Martins em 2013, em Nova York. Ela fazia seu primeiro curso de Gaga, e Shamel era o professor. Depois de se conhecerem melhor, através de conversas e e-mails, Shamel e Mirelle reconheceram interesses artísticos semelhantes e, em 2014, estabeleceram uma parceria criativa e de produção. Em 2015, Shamel estreou o primeiro trabalho da “Black series”, o solo “Black box - The little black book of Red” (“Caixa preta - O livrinho preto de Red”). Em 2016, Shamel deixou a Batsheva Dance Company e se mudou para São Paulo a fim de criar com Mirelle e Lucca Del Carlo a segunda etapa da trilogia, a performance “Black velvet - Architectures and archetypes” (“Veludo negro - Arquiteturas e arquétipos”).

Em 2018, Shamel e Mirelle criaram o terceiro e último trabalho da trilogia, "Black hole - Trilogy and triathlon (“Buraco negro - Trilogia e Triatlon”) durante as residências artísticas nos EUA e na Europa com a colaboração do designer de luz, Lucca Del Carlo; os performers Mirelle Martins, Tushrik Fredericks, Joy-Marie Thompson e Ricardo Januario; o músico Sivan Jacobovitz e a designer de moda Naomi Maaravi.
A performance teve sua estreia em setembro de 2018 em Sofia na Bulgária e, desde então, foi realizada na Itália, Israel e EUA.